Movimentos ocupam Ministério da Fazenda contra reforma da Previdência

Tipografia

Na madrugada desta quarta (15), cerca de 1500 pessoas ocuparam a sede do Ministério da Fazenda, em Brasília, em ato que faz parte do Dia Nacional de Mobilização e Paralisação contra a Reforma da Previdência.

Entre os movimentos que participam da ocupação, estão o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Movimento das Mulheres Camponesas (MMC), Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), além de contar com o apoio de professores do Sinpro/DF e de categorias de sindicatos da Central Única dos Trabalhadores (CUT).
 
A principal motivação para o protesto é a perda de direitos e os retrocessos promovido pelo governo Michel Temer, como as reformas da Previdência e trabalhista. Os movimentos pontuam que, enquanto o governo justifica a reforma com um rombo na previdência social,ele não combate a sonegação fiscal e perdoa a dívida de empresas que devem três vezes o valor do deficit do INSS.

Henrique Meirelles, ministro da Fazenda, tem sido um dos principais defensores da reforma. Ontem, ele se reuniu com a bancada do PSB na Câmara dos Deputados e afirmou que a Previdência Social irá consumir 70% da arrecadação federal em até dez anos, caso não seja feita nenhuma alteração nas regras. Ele também defendeu a igualdade na idade de aposentadoria entre homens e mulheres.
 
O Dia Nacional de Mobilização tem diversos atos marcados nesta quarta contra a reforma da Previdência. Na manhã de hoje, diversas estações do Metrô de São Paulo estavam fechadas e ônibus das 17 empresas que operam na capital não saíram das garagens. Protestos chegaram a interditar as rodovias Presidente Dutra e Raposo Tavares.
 
No Rio de Janeiro, escolas suspenderam suas atividades, e, em Belo Horizonte, os metroviários também decidiram aderir ao movimento. Em Brasília, um ato terá início as 8 horas, na Catedral, e os manifestantes deverão seguir até o Ministério da Fazenda.

Fonte: Jornal GGN